Arquivo | Junho, 2013
Nota

AQUILINO CÍVICO CARISMÁTICO E CASTIÇO                         <!–[if !vml]–><!–[endif]–> <!–[if

5 Jun

AQUILINO CÍVICO CARISMÁTICO E CASTIÇO

                         <!–[if !vml]–><!–[endif]–> <!–[if !vml]–><!–[endif]–>
(Imagem: caricatura de Aquilino Ribeiro por Leal da Câmara in Fundação Aquilino Ribeiro em Soutosa – Moimenta da Beira)

            “Aquilino Gomes Ribeiro tornou-se numa figura carismática pela sua postura cívica em defesa do Homem comum sofredor e sujeito a arbitrariedades dos poderes. Em 1963 preparalham-lhe uma homenagem pública em várias cidades, coincidindo com o cinquentenário da edição de O Jardim das Tormentas. Porém, morreu subitamente sem apreciar quanto lhe estavam reconhecidos.
            “Se é certo que levantava certos obstáculos de legibilidade […]” muito por causa das modas francesas e inglesas que desprezaram o vocabulário clássico, o ibérico e o regional, o Centro de Estudos Aquilinianos promoveu um Glossário Aquiliniano para facilitar a leitura entre a comunidade que se havia acostumado demasiado ao estilo francófono e anglófono (1).
            As suas narrativas são geralmente de linguagem castiça, entrelaçada com o clássico e simultaneamente indiferente aos estilos literários do modernismo e neorrealismo correntes.
 Algumas frases que nos parecem pertinentes em relação ao escritor e homem cívico:  
            “O que o homem mais aprecia acima de grandezas, glória, amor, acima do seu próprio pão para a boca, é a liberdade….” ;

             “Cultivem a inquietação (2) como fonte de renovamento.”; 

            “Aquilino é o nosso escritor mais emblemático do séc. XX”;    “Razão mais do que suficiente para a trasladação” para o Panteão Nacional. (Jerónimo Costa) (3);
            “É um inimigo do Regime. Dir-lhe-á mal de mim; mas não importa: é um grande escritor” (António de Oliveira Salazar).

            “Conheci Aquilino Ribeiro, de quem me prezo de ter sido amigo e de quem continuo, cada vez mais, com o passar dos anos e as sucessivas leituras, rendido admirador”. (Mário Soares).

            “A força plástica e musical do mundo aquiliniano é admirável. A serra portuguesa, a aldeia patriarcal, o rebanho transumante, vivem nos seus livros como a vida flamenga e holandesa nos quadros dos grandes pintores dos Países Baixos”. (Vitorino Nemésio).
——————–
(1) Existem hoje em dia diversas ferramentas/dicionários, incluindo no Google (exemplo: significado de …) que nos apresentam os significados de quase todos os termos menos conhecidos.
 (2) Aquilino é a pedrada no charco de águas paradas e contaminadas.

 (3) Jerónimo Costa é colaborador da Revista de Arte e Crítica de Viseu; Membro/Regedor da Confraria Aquiliniana; Colaborador da Revista “Letras Aquilinianas”.               

Anúncios